“Estava a pesar 37 quilos”. Atriz de Rua das Flores revela luta contra anorexia

Inês Faria faz parte do elenco de “Rua das Flores” e dá vida a Dália. A atriz vai ao programa de Manuel Luís Goucha falar sobre uma fase negra da sua vida.

09 Ago 2022 | 16:50
-A +A

Inês Faria, que dá vida a Dália na “Rua das Flores”,  vai ao programa das tardes da TVI para falar sobre a sua luta contra a anorexia. A atriz conta a Manuel Luís Goucha que, a determinada altura, o seu corpo estava tão magro que chegava a fazer “feridas”.

“Estava a pesar 37 quilos e, se não tivesse entrado no [Hospital de] Santa Maria [em Lisboa], talvez tivesse continuado a perder peso. Quando entro no Santa Maria, foi quando bati no fundo. E aí tinha duas escolhas: ou sair do buraco, ou continuar no buraco”, lembra a atriz de “Rua das Flores”.

 

Pode ver o vídeo promocional de seguida:

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Manuel Luis Goucha (@mlgoucha)

 

Já em novembro do ano passado, numa partilha feita nas redes sociais, a atriz, de 25 anos, tinha revelado sofrer de depressão desde os 13. “Podia ser o típico post em que mostro que fui almoçar a uma esplanada de praia e escrevo a descrição ‘sábados bons’. Mas, como podem ver na última foto, a verdade é que passei a manhã a chorar e isso já ninguém saberia se eu não postasse. Custa-me que por aqui (e contra mim falo) pareça sempre tudo tão perfeito. Abro o Instagram e vejo vidas perfeitamente invejáveis. E, por vezes, confesso que custa-me a acreditar que não o sejam realmente. Mas depois tenho a certeza que não são, porque eu sou o exemplo perfeito disso. Todos (todos mesmo) temos os nossos problemas, medos e inseguranças“, começou por escrever Inês Faria.

De seguida, a Dália de “Rua das Flores” explicou que, além de ser uma “miúda bem disposta, divertida e de sorriso fácil”, também começou a tomar antidepressivos aos 13 anos. Tinha deixado a medicação seis meses antes. “Não tem sido pêra doce, mesmo tendo acompanhamento psicológico… Tenho-me esforçado diariamente para que isso não interfira tanto nas minhas relações pessoais, como profissionais, mas há vezes que simplesmente não dá”, admitiu. “A saúde mental é um assunto muito sério e não devem ter medo ou vergonha de procurar ajuda (esse tempo já lá vai). Há dias de merd* e ‘é OK não estar OK’. E, por favor, não se esqueçam que o que as pessoas postam por aqui, é só uma parte da vida delas. PS: Fico mesmo feia quando choro. Afinal, quando os meus pais me diziam isso em criança, não estavam a mentir”, rematou.

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: Reprodução redes sociais

PUB