Desilusão: Fátima Lopes queixou-se a vários diretores da TVI, mas não lhe deram troco

A apresentadora Fátima Lopes alega que “nem sempre” foi “ouvida” por responsáveis da TVI, com quem falou para mostrar o seu desagrado ao longo dos últimos dois anos no canal.

14 Mai 2021 | 21:35
-A +A

Fátima Lopes quebrou finalmente o silêncio sobre a sua saída da TVI. A apresentadora revelou agora a sua “verdade”, garantindo que tomou a decisão de abandonar o canal de Queluz de Baixo, para o qual trabalhou durante 11 anos, porque nos últimos dois não foi “feliz” nem se sentiu “bem tratada” na estação.

Em entrevista a uma revista semanal, Fátima Lopes explicou que “nem sempre” foi “ouvida”. “A minha opinião não foi tida em conta”, frisa a apresentadora, referindo-se às alterações que foram sendo feitas ao programa “A Tarde É Sua”, que conduzia antes de sair do canal.

“Comigo houve um somatório de desconsiderações e desvalorizações. Se eu não tivesse autoestima, se calhar ficava, mas felizmente tenho consciência do meu valor como profissional e como pessoa”, diz, à “Sábado”, comparando esse formato a uma “pastilha elástica”. “[A duração da emissão] Aumentava ou diminuía para tapar aqui ou ali e isso é um desrespeito por um formato que foi desenhado para servir determinado público (…) Isto são desconsiderações. Só que o rosto era o meu”, lamenta.

“Falei com quem estava a dirigir os programas, que foram várias pessoas, e a situação manteve-se. Foi pesando…”, atira Fátima Lopes.

 

Fátima Lopes: “O que me foi proposto não tinha condições para eu aceitar e saí”

 

Também o programa de entrevistas “Conta-me Como És”, que lhe foi entregue em 2018, e a adaptação do italiano “C’e Posta per Te”, que deveria apresentar este ano – já com Cristina Ferreira como responsável pelo entretenimento do canal – ajudaram a que optasse por abandonar a TVI. “O processo não foi bonito”, frisa.

Sobre o primeiro, garante que começou por ficar “muito feliz”. “O projeto nasceu comigo e tinha a minha imagem. Só que afinal não ia ser só eu, ia ter outros colegas (…) e recusei-me a apresentar. Chega!”, atira, aludindo ao formato que tem agora o nome de “Conta-me”.

Já sobre “C’e Posta per Te”, Fátima Lopes explica que teria de “fazer um novo contrato”. “Mas não se fez o básico: primeiro negoceiam-se as condições e só depois se anuncia publicamente. Fizeram o contrário”, declarou. “O que me foi proposto não tinha condições para eu aceitar e saí”.

A comunicadora, que celebrou esta quinta-feira, 13 de maio, 52 anos, recorda ainda o corte de ordenado em 30 por cento a que, em 2019, foi sujeita: “O argumento era a frágil situação financeira da empresa. Fui solidária e aceitei, na esperança de que, quando a empresa recuperasse, me repusessem o que tinha sido cortado. A verdade é que o tempo foi passando e ninguém tocou mais no assunto”, afirma.

 

Fátima Lopes recusa falar sobre convites de outros canais

 

Sobre este processo, Fátima Lopes assegura que nunca falou diretamente com Cristina Ferreira. “Nunca falei com ela, nem ninguém sobre esse processo. O meu advogado é que me representava”, justifica, recusando-se, desta forma, a comentar a sua relação profissional com a Diretora de Entretenimento e Ficção da TVI: “Não vou falar de A ou B, não vale a pena, posso anotar determinados comportamentos, mais nada”.

Na mesma entrevista, recusa ainda comentar se recebeu convites de outros canais.

 

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: reprodução redes sociais

PUB
Top